Mucopolissacaridose tipo VII (gene GUSB, Terrier brasileiro)

A mucopolissacaridose VII é uma doença de armazenamento lisossómico causada por mutações no gene GUSB que codifica a beta-glucuronidase responsável pela degradação dos mucopolissacáridos (glicosaminoglicanos) no lisossoma.

Sintomas

A mucopolissacaridose VII em cães caracteriza-se por uma série de sintomas. No primeiro mês de vida, os cães afectados apresentam anomalias faciais, orelhas de inserção baixa e tórax largo. A opacidade da córnea é evidente por volta das 8 semanas de idade, e também estão presentes cabeças desproporcionalmente grandes. O excesso de mucopolissacáridos é detectado na urina. Entre o segundo e o quinto mês, os cães têm dificuldade em manter-se de pé, problemas nas articulações e displasia epifisária significativa. Podem também apresentar anomalias cardíacas, como insuficiência mitral e aneurisma da aorta.

Gestão da doença

Atualmente, ainda não foi encontrada uma cura definitiva para a mucopolissacaridose VII. A gestão da doença centra-se nos cuidados de apoio e no tratamento sintomático para controlar a dor. No entanto, a terapia genética, utilizando um vetor retroviral que exprime a beta-glucuronidase canina, foi considerada eficaz na melhoria dos sintomas da doença. Recomenda-se a realização de testes genéticos e estratégias de reprodução para evitar a hereditariedade da doença nas gerações futuras.

Base genética

Esta doença segue um modo de hereditariedade autossómica recessiva, o que significa que o cão, independentemente do sexo, tem de receber duas cópias da mutação ou variante patogénica para estar em risco de desenvolver a doença. Ambos os pais de um cão afetado devem ser portadores de pelo menos uma cópia da mutação. Os animais portadores de apenas uma cópia da mutação não correm um risco acrescido de desenvolver a doença, mas podem transmitir a mutação às gerações futuras. Não se recomenda o cruzamento entre cães portadores de variantes genéticas que possam causar doença, mesmo que não apresentem sintomas.

Relatório técnico

A Mucopolissacaridose VII caracteriza-se pela acumulação de glicosaminoglicanos nos lisossomas devido à deficiência da beta-glucuronidase codificada pelo gene GUSB. A beta-glucuronidase é uma hidrolase ácida que decompõe os glicosaminoglicanos que contêm glucuronato. A falta ou disfunção desta enzima resulta na acumulação de glicosaminoglicanos nos lisossomas, levando aos sintomas característicos da doença. Foi identificada na raça Terrier Brasileiro uma mutação sem sentido (c.866C>T) que afecta um domínio altamente conservado da beta-glucuronidase. Esta mutação altera provavelmente a estrutura ou a função da proteína, uma vez que os cães afectados não apresentam praticamente nenhuma atividade enzimática residual (0,2%). Além disso, foi observado um início mais precoce dos sintomas nos Terriers brasileiros, o que indica a gravidade da mutação e o seu impacto na atividade enzimática.

As raças mais afectadas

  • Terrier brasileiro

Bibliografia

Ainda não conheces a verdadeira natureza do teu cão?

Desvende os segredos do ADN do seu animal de estimação com as nossas duas gamas.

starter

Raças + Traços físicos

advanced

Saúde + Raças + Traços físicos

O teste de ADN que procurava