Hemofilia A (gene F8, Boxer)

A hemofilia A é a doença hemorrágica hereditária mais comum nos cães. Quando existe uma mutação patogénica no gene F8, que produz o fator VIII de coagulação, o processo de coagulação do sangue é alterado, aumentando o risco de hemorragia descontrolada.

Sintomas

Como o gene F8 se encontra no cromossoma sexual X, as mulheres portadoras de uma cópia de uma mutação F8 normalmente não apresentam sintomas, enquanto os homens apresentam sinais. A gravidade depende dos níveis de atividade residual da coagulação. Quando a atividade do fator VIII é inferior a 5%, os sintomas aparecem normalmente após o nascimento e são mais graves. Ocorrem hemorragias espontâneas nas articulações e derrame de sangue para a cavidade corporal, que podem ser letais. Também se observa hemorragia prolongada do cordão umbilical, das gengivas durante a dentição e após a cirurgia. Os cães com uma atividade do fator VIII de 5% a 10% normalmente não sangram espontaneamente, mas sangram mais do que o normal após uma lesão ou cirurgia.

Gestão da doença

O tratamento da hemofilia A centra-se no controlo dos sintomas e na prevenção de hemorragias graves. São necessárias transfusões repetidas de sangue total ou plasma até que a hemorragia seja controlada. Se suspeitar que o seu cão pode ter hemofilia A, é crucial levá-lo a um veterinário para um diagnóstico e tratamento adequados.

Base genética

Esta doença segue um modo de hereditariedade recessivo ligado ao X. A hereditariedade recessiva ligada ao X significa que as cadelas têm de receber duas cópias da mutação ou variante patogénica (uma de cada progenitor) para desenvolver a doença, ao passo que os machos só precisam de uma cópia do gene mutado ou variante da mãe para desenvolver a doença. Os cães machos apresentam geralmente sintomas da doença. Cada cachorro macho nascido de uma mãe portadora da mutação tem 50% de hipóteses de herdar a mutação e, portanto, o risco de desenvolver a doença. As cadelas que não são portadoras da mutação não correm um risco acrescido de ter cachorros afectados. Não se recomenda o cruzamento entre cães portadores de variantes genéticas que possam causar a doença, mesmo que não apresentem sintomas.

Relatório técnico

O processo de coagulação envolve muitas proteínas diferentes, e a deficiência de qualquer uma delas pode causar distúrbios hemorrágicos, como as deficiências do fator II (protrombina), do fator VII, do fator VIII e do fator IX. A deficiência de vitamina K, que também faz parte do processo de coagulação, pode agravar um defeito de coagulação. Christopherson et al. foram os primeiros a detetar uma mutação sem sentido no gene F8 em cães de raça Pastor Alemão e Boxer com hemofilia. Tratava-se da variante c.1469C>G, que resulta numa alteração de uma única base na posição do nucleótido 1469, afectando um aminoácido no domínio A2 da proteína, que está envolvido na ligação do fator IX ativado durante a coagulação. As mutações que afectam este mesmo domínio foram observadas no fator VIII da coagulação humana e estão associadas a uma redução significativa da atividade do fator VIII (inferior a 1%).

As raças mais afectadas

  • Boxer
  • Poodle
  • Cocker Spaniel
  • Golden Retriever
  • Husky Siberiano
  • Malinois Belga
  • Pastor Alemão
  • Pastor Alemão
  • Pastor Alemão
  • Cão de pastor inglês
  • Schnauzer Miniatura
  • Setter irlandês
  • Weimaraner

Bibliografia

Ainda não conheces a verdadeira natureza do teu cão?

Desvende os segredos do ADN do seu animal de estimação com as nossas duas gamas.

starter

Raças + Traços físicos

advanced

Saúde + Raças + Traços físicos

Promoção Dia do DNA

Só até 25 de Abril

-15% nos nossos testes de ADN para cães

Utilize o nosso código DNA15