Deficiência de adesão leucocitária canina tipo 3

Esta doença sanguínea hereditária afecta principalmente os pastores alemães e conduz a um risco acrescido de infecções e hemorragias.

Sintomas

Os cães afectados têm uma coagulação sanguínea prejudicada e as funções do sistema imunitário podem ser afectadas. Os pastores alemães afectados podem desenvolver claudicação, infecções cutâneas recorrentes, osteomielite ou infecções ósseas e gengivite. A maioria dos cães pode viver durante anos, embora a sua esperança de vida seja reduzida, uma vez que correm um risco acrescido de infecções graves ou de hemorragias excessivas devido a ferimentos acidentais ou durante uma intervenção cirúrgica.

Gestão da doença

Os veterinários devem ser informados dos cães com esta deficiência antes de qualquer intervenção cirúrgica. Se o seu cão apresentar quaisquer sintomas, deve consultar o seu veterinário para avaliação.

Base genética

Esta doença segue um modo de hereditariedade autossómica recessiva, o que significa que o cão, independentemente do sexo, tem de receber duas cópias da mutação ou variante patogénica para estar em risco de desenvolver a doença. Ambos os pais de um cão afetado devem ser portadores de pelo menos uma cópia da mutação. Os animais portadores de apenas uma cópia da mutação não correm um risco acrescido de desenvolver a doença, mas podem transmitir a mutação às gerações futuras. Não se recomenda o cruzamento entre cães portadores de variantes genéticas que possam causar doença, mesmo que não apresentem sintomas.

Relatório técnico

No gene FERMT3, levando a uma expressão anormal de kindlin-3. Esta proteína citoplasmática é altamente expressa em leucócitos e plaquetas, e actua como um importante regulador da coagulação sanguínea e da adesão de leucócitos. Aqui analisamos se a mutação c.1349_1350insAAGACGGCTGCC está ou não presente, o que resulta na inserção de vários nucleótidos na sequência do gene FERMT3 e foi descoberta em pastores alemães. Esta mutação faz com que as plaquetas demorem mais tempo a agregar-se e a formar coágulos, pelo que há um risco acrescido de hemorragias graves e também resulta numa função leucocitária deficiente, tornando os cães afectados mais susceptíveis a infecções recorrentes, especialmente na pele, nos ossos e nas gengivas.

As raças mais afectadas

  • Cão de pastor alemão

Bibliografia

Ainda não conheces a verdadeira natureza do teu cão?

Desvende os segredos do ADN do seu animal de estimação com as nossas duas gamas.

starter

Raças + Traços físicos

advanced

Saúde + Raças + Traços físicos

O teste de ADN que procurava